Você sabe aceitar ajuda?

Estou falando da ajuda em geral  e não  considero que fazer as tarefas domésticas em família seja ajuda. Ajuda é opcional, que se faz por cortesia. Já os cuidados da casa são de obrigação de quem mora nela.

 

Fiz uma tradução livre do texto semanal da  My Simpler Life

Aceite a Ajuda

Outro dia, quando estava saindo do mercado, vi uma mulher ajudando uma senhora idosa que estava lutando com as compras. Ela sorriu  agradecida. Duas pessoas  estranhas  tiveram uma conversa agradável a caminho do carro. Senti uma alegria interior com a bondade. Olhei em volta e vi outras pessoas sorrindo no estacionamento.

Alguns dias depois, eu estava terminando ioga na praia e vi uma senhora deixar cair alguns de seus equipamentos de praia. A pessoa ao lado dela saltou para ajudar, e ela recusou, dizendo que podia fazer isso sozinha. Todos ao seu redor recuaram com a resposta.

Quando não aceitamos ajuda, geralmente é porque estamos envergonhados ou queremos parecer independentes. Ou pior, dizemos não aos ajudantes porque eles podem fazer da maneira “errada”. Todas essas instâncias são o ego falando. O ego está na defensiva, portanto, quando o ego lidera, você pode sentir desconexão.

Não aceitar a ajuda oferecida faz com que a pessoa que está oferecendo se sinta mal. E é menos provável que se ofereçam para ajudar outras pessoas. As pessoas ao redor sentem essa energia e ficam desconfortáveis ​​em assistir.

Quando você deixa alguém ajudar, eles se sentem bem. As pessoas ao seu redor se sentem bem e os estudos dizem que os espectadores da gentileza são mais propensos a serem gentis com outra pessoa.

Como você pode ser uma pessoa que aceita ajuda? Olhe para a pessoa que oferece ajuda com simpatia. Deixe de lado a necessidade de controlar. Veja os casos de ajuda oferecida como oportunidades de aprendizagem. Aprendendo a escolher o amor ao invés do ego. Abandone a crença de que tem de  fazer tudo sozinho.

Nenhum de nós pode passar por essa vida difícil sem ajuda. Nós fomos feitos para estarmos lá um para o outro.

 

Acabamos de vivenciar  o Setembro Amarelo. Vale sempre aceitar e procurar ajuda, seja física ou emocional.

Comentários