Organização e mudança de hábitos

Como especialista e consultora de organização doméstica e pessoal  em algumas situações fica ainda mais evidente que  meu objetivo ao divulgar a organização  é oferecer a oportunidade para que mais pessoas  percebam  que temos um universo de recursos que facilitam nosso dia a dia.
Deixar velhos hábitos e estar aberto às mudanças faz perceber que a organização não é “chata” e “cansativa”.
E como às vezes me questiono sobre a questão do por quê as pessoas fazem as coisas do jeito que fazem segue um texto do livro Desperte o milionário que existe em você, de Carlos Wizard Martins:

” Era uma vez uma jovem recém-casada que queria agradar seu marido, que gostava de bife acebolado.
Todas as manhãs, ela ia ao açougue, comprava um bife, depois voltava para casa, partia o bife ao meio, fritava uma metade, fritava a outra metade e servia as duas metades ao marido. Ela fez isso por três meses.
Sem querer magoar a esposa, um dia o rapaz disse: “Meu bem, você é uma ótima cozinheira e uma esposa maravilhosa. Eu só queria saber por que toda manhã você vai ao açougue, compra um bife, volta para casa, corta o bife ao meio, frita uma metade, frita a outra e depois coloca as duas metades no prato?”. A resposta da jovem foi: “Eu aprendi com minha mãe”.
Um belo dia, aparece em sua casa a sogra. O jovem marido aproveita a presença da senhora e inicia uma conversa: “Sogra querida, sua filha é maravilhosa e cozinha muito bem, mas há uma coisa que ela faz e eu não compreendo”. Contou a cena à sogra e pediu uma explicação. A sogra respondeu: “Foi minha mãe que me ensinou assim”.
Então, um belo dia, aparece na casa a vovozinha. O jovem não resistiu e perguntou: “Vovó querida, a senhora tem uma neta maravilhosa que cozinha muito bem, mas há uma coisa que ela faz e eu não compreendo”. E contou a história à vovó e pediu-lhe uma explicação. “Mas há uma explicação, meu neto”, disse a senhora. “Muito tempo atrás, quando eu me casei, eu ganhei uma frigideira de presente de casamento, e era muito pequena. Por isso eu tinha de partir o bife ao meio para fritá-lo!”.

Essa história retrata bem a realidade de muitas pessoas que acham que não são e nunca serão organizadas presas a antigos hábitos, costumes e comportamentos. Mudar é possível e com a organização  ganhar em qualidade de vida.

Comentários