Dia de faxina

 

Faz muito tempo que estou com esse assunto em pauta mas não me decidia a escrever sobre ele. Acho que teremos muitas discussões, mas é para isso que servem as trocas de conhecimento e então, vamos a ele.

Vejo como pouco produtivos os chamados dias de faxina em algumas situações. Um só dia para arrumar, organizar e fazer limpeza profunda é desgastante. Mesmo quem tem faxineira, diarista, etc,  sabe que nem tudo fica a contento. Em 6 ou 8 horas é possível cuidar de quase tudo, mas não de tudo.

A limpeza mais detalhada deve ser programada para áreas em que não se precisa  investir muito tempo  e  complementares no geral.

Após a faxina, a casa vai sendo conservada, para usar um termo de muitas donas de casa, mas em algumas dependências, apenas a conservação não basta. Áreas como a cozinha e banheiro necessitam de limpeza diária de pisos, pias, balcões, do box, sanitário, etc. Então não deixe para o dia da faxina o descongelamento da geladeira, a limpeza dos armários. Essas tarefas podem ser feitas nos intervalos, junto com a arrumação da casa, um cômodo por dia.

Acredito que fazer um pouco por dia elimina o “grosso” ,  a faxina demora menos e pode ser mais leve. O planejamento ideal é considerar que existem tarefas diárias e as que podem ser feitas semanalmente, quinzenalmente e até a cada mês.  Portas, janelas, por exemplo, podem ser  limpas em semanas alternadas, tapetes devem ser completamente aspirados semanalmente assim como os pisos  lavados ou encerados.

Quem trabalha fora além de ser dona de casa também se beneficia do método de conservação e arrumação – com um pouco de tempo gasto diariamente  não há porque passar o final de semana pondo a casa de pernas para o ar.

 

Quer comentar? Aguardo a contribuição das (os) leitoras e amigas!

Comentários