Você é um guardador?

 

Diferente das coisas acumuladas por procrastinação – sacola de compras que não foi descartada, revistas que ficaram na sala, uma peça de roupa que não serve e não saiu do armário, um aparelho que não funciona e não é levado ao conserto – os “guardados” sempre são mantidos por segurança, de acordo com os proprietários. É o hábito de guardar para uma eventual necessidade futura.

Pessoas que têm dificuldade em se desfazer das coisas que não usam precisam  ser conduzidas para chegar à conclusão que armazenar sem necessidade ocupa espaço que poderia ser destinado ao próprio  conforto.

Regras para não acumular suas coisas

. Tempo de guardado – a maioria dos objetos  que não foram  usados  no período de um  ano – roupas ,sapatos, utensílios domésticos, revistas e catálogos, aparelhos eletrônicos, etc – deve ser descartada.

Muitas pessoas mantém seus guardados por 4/5 anos antes de descartar – em que estado essas coisas estarão? Terão ainda utilidade para alguém? Terão conserto? Será um benefício doá-las ou será somente transferir a tralha para outros?

. Real utilidade –  Em algumas etapas da vida compramos ou  fazemos uso de determinadas coisas que jamais nos servirão outra vez.  Equipamentos de esportes que não praticamos mais, utensílios de hobbies que deixamos de lado, brinquedos das crianças que cresceram, utensílios de cozinha que não usamos, roupas de outras décadas.

. Valor real –  algumas coisas guardamos por acreditar que podem ter valor e então o descarte seria um prejuízo.  Descubra o real valor do objeto. Em seguida tome a decisão de vender ou não. Não transforme sua casa num depósito de objetos a espera  de valorização incerta no  futuro.

. Valor  sentimental – é o apego aos objetos, ao material. A não ser que a lembrança seja realmente boa, não vale a pena guardar.

. Custo do espaço utilizado – considere se você não esta apenas empilhando suas coisas por ” preguiça” de organizá-las. Seleção e descarte tomam algum tempo mas depois que você perder o hábito de guardador, não haverá mais necessidade de se ocupar  com essa questão.

Comentários